Universidade Federal de Santa Catarina
Anais da 5ª Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão

De 14 a 17 de Setembro de 2005

Trabalho

Área Temática: Tecnologia
Título: SOLUBILIDADE DO OXIGÊNIO EM MEIO PARA CULTIVO DE FUNGOS ECTOMICORRÍZICOS
Nome do Grupo: Microbiologia do Solo
Apoio financeiro: FAPESC
Apoio de Editais internos da UFSC: Nenhum
Instituicoes Envolvidas:
Tipo de Exposição: Painel
Nome do Autor:

MáRCIO JOSé ROSSI

e-mail do Autor:

marcio@enq.ufsc.br

Fone do Autor:

(48)331-5166

Unidade/Setor:

Curso:

Pós-graduação em Engenharia Química-DO

Centro:

CTC

Co-autor(es):

Agenor Furigo Jr.

Colaborador(es):

Huayna Cerqueira Streit, Veturia Lopes Oliveira

Resumo:
A solubilidade do oxigênio no meio de cultura é um importante fator nos estudos em biorreatores, principalmente quando se trata do cultivo de microrganismos que apresentam baixas taxas de respiração, ou altas concentrações críticas de O2, como os fungos ectomicorrízicos. A medida da concentração do oxigênio dissolvido (C) baseia-se numa equação que estabelece sua relação com a pressão parcial de oxigênio no gás (pg), sendo C=H.pg. A corrente de um eletrodo de oxigênio é proporcional à pg, mas como a constante de Henry (H) é dependente de vários parâmetros físico-químicos, é impossível obter-se uma medida direta da concentração de oxigênio dissolvido com um sensor de oxigênio. Entretanto, é possível calibrar este sensor liberando-se uma quantidade definida de oxigênio na solução. Para isso, utilizou-se um balão de vidro com três saídas, uma para o eletrodo, outra para a entrada de N2, e a terceira para os reagentes. O sistema foi colocado em banho termostatizado e submetido à agitação. O eletrodo foi calibrado com o meio saturado de oxigênio, obtido após o borbulhamento de ar durante 20 minutos. Adicionaram-se 350 mL de meio de cultura PGK (glicose, peptona, extrato de malte e sais), a pH 7, e manteve-se uma vazão de 140 mL.min-1 de N2 sobre o líquido. Primeiramente, o oxigênio do meio foi removido pelo borbulhamento de N2 e, após o sensor atingir corrente zero, interrompeu-se a injeção de N2, adicionando-se, repetidamente, diferentes volumes de H2O2 1 M. O oxigênio foi liberado para a solução pela reação do H2O2 com a catalase em excesso, permitindo a leitura no eletrodo. A concentração exata de H2O2 adicionada foi determinada por titulação com KMnO4 padronizado a 0,098 M com oxalato de sódio. Com a correlação obtida, determinou-se a quantidade de H2O2 necessária para a saturação do meio de cultura com o O2 liberado. Assim, a quantidade de oxigênio foi obtida pela estequiometria e volume da reação. A solubilidade do O2 nesse meio de cultura foi de 7,56 mgO2.L-1, a 25 °C e à pressão atmosférica ao nível do mar, sendo 7,7% inferior à solubilidade da água pura. A presença da glicose e de sais diminuiu a solubilidade do oxigênio no líquido, como observado também em outros estudos.
Palavras-chave:

solubilidade do oxigênio,meio de cultura,fungos ectomicorrízicos